Buscar
  • Ivan Alfarth

Quando se deve contratar um advogado?


A resposta mais simples é: o quanto antes.

Os problemas que precisam ser resolvidos através da prestação de algum tipo de serviço especializado costumam ter um efeito indesejável: quanto mais o tempo passa piores as coisas ficam e mais caro será o seu “conserto”. Com os serviços jurídicos não é diferente: à medida em que o tempo avança e não se procura a necessária assistência de um advogado, a solução do problema tende a se tornar mais complexa e custosa. Portanto, a contratação de assessoria jurídica o quanto antes pode diminuir os custos do serviço e aumentar as chances de sucesso do cliente.

O melhor exemplo de antecipação que beneficia quem procura um advogado é a assessoria preventiva, valendo neste caso o ditado “prevenir é melhor do que remediar”. Essa alternativa sempre será menos custosa do que o seu equivalente na Justiça. Isso inclui as negociações extrajudiciais, onde acordos podem ser celebrados de forma rápida e eficiente pelos advogados das partes, sem passar necessariamente pelo Judiciário, tão lotado de processos à espera de julgamento.

E se o caso já é de ação judicial, por que se deve procurar um advogado o quanto antes? Por exemplo, se a questão for penal, onde alguém está sendo investigado por um crime, o acompanhamento do inquérito por um advogado poderá evitar que tal pessoa venha a se tornar réu em uma ação penal, barrando o inquérito. No caso de uma ação cível, a contratação precoce de um advogado facilita a defesa dos interesses do cliente, pois muito do trabalho a ser feito ocorre ANTES da ação, como a reunião de documentos, investigações, conversas com possíveis testemunhas, entre outros.

Existem casos em que a parte não necessita contratar um advogado: ir ao Procon, ao Juizado Especial Cível para entrar com causas de valor inferior a 20 salários mínimos e pedir um Habeas Corpus são alguns exemplos que dispensam o profissional. Mas, mesmo nesses casos, deve-se considerar a contratação de um advogado para cuidar do caso: você pode não precisar de um para entrar com sua ação de baixo valor no Juizado Especial Cível, mas lembre-se que a outra parte poderá ter a ajuda de um profissional que usará de todos os artifícios legais para combater o direito que você pleiteia.

E, por fim, devemos lembrar que as pessoas que não tem condições financeiras de contratar um advogado particular podem acionar a Defensoria Pública de seu estado (geralmente a triagem exige renda familiar inferior a 3 salários mínimos para se ter direito). Todos, sem exceção, têm direito a um advogado e, se alguém não tiver condições de contratar, o Estado tem a obrigação de constituir um para a sua defesa.


4 visualizações

© 2020 por Ivan Alfarth. 

  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Clean